terça-feira, 19 de março de 2013

CHILE


    CHILE - VINHOS


O vinho no Chile esta provocando uma revolução no turismo, com a abertura política que facilitou o mercado de exportação agora além do ski, de seus pescados fresquíssimos do Oceano Pacífico e da poesia de Pablo Neruda, a melhora na qualidade de seus vinhos fez do Chile o 10º maior produtor mundial. 












Sua uva emblemática é a CARMENÈRE, tida como extinta no mundo por causa da praga filoxera, foi identificada no Chile em 1984, ate então era confundida com a Merlot.  A Carmenère sobreviveu graças ao isolamento do território chileno; de um lado o Oceano Pacífico, de outro escondido pela Cordilheira dos Andes, ao Norte o deserto do Atacama e ao Sul o gelo da Antártica.
A cepa mais cultivada no Chile é a Cabernet Sauvignon, também tem destaque as uvas Merlot e Chardonnay.







Um passeio pelos vales produtores de vinho, mais próximos de Santiago, deve incluir: 

VALE DE MAIPO - Região de Pirque, praticamente, dentro de Santiago estão as vinícolas 
. Concha y Toro (www.conchaytoro.com) a maior do país e principal exportadora de vinhos da América do Sul, fundada em 1856 
. Cousiño Macul (www.cousinomacul.cl) onde as degustação é feita numa adega do século XlX e iluminada por velas.





VALE DE ACONCÁGUA - Ao norte de Santiago; 90% de suas uvas produzem vinhos tintos. O solo é pedregoso e raso, e tem boa drenagem. Uvas principais são: Syrah, Merlot, Cabernet Sauvignon e Carmenère. Muitas vinícolas oferecem tour guiado e degustação, outras tem uma pequena pousada de charme e outras ainda restaurantes estrelados.




Indico: Viña Emiliana (vinho orgânico), Viña Veramonte (degustação combina vinho com queijos e chocolates), Viña Mar (restaurante elogiado e loja de souvenir). 
Dica : Viña Casa del Bosque - restaurante delicioso, wine shop, área para picnic, eventos, tour e degustação. Recomendo reservar.










VALE COLCHÁGUA - Santa Cruz, a cidade é o ponto de partida para as lindas e muito bem organizadas vinícolas da região. São muitas, difícil escolher, dentre muitas indico:




. Casa Silva - a mais antiga, linda e muito bem montada, tem passeios de bicicleta, restaurante com menu fusion e um pequeno  hotel com 7 apartamentos www.casasilva.cl

LAPOSTOLLE


. Viu Manent - loja de artesanatos, jardins, passeios pelos vinhedos em carruagem. Degustação e almoço no restaurante Rayuela. www.viumanent.cl 

. Lapostolle - visita imperdível, uma bodega linda projetada pelo chileno Roberto Benavente. Seis pisos sob o solo de pedra, e no mais baixo uma surpreendente cava. Uma experiência de luxo que pode ser completada com um pernoite nas casinhas com piscina exclusiva. www.lapostolle.com


LAS NIÑAS
Há ainda outras vinícolas que merecem ser visitadas: Las Ninãs (administrada por três gerações de francesas), Montes (projetada sob os princípios do Feng Shui), Laura Hartwig (a mais próxima de Santa Cruz), Santa Cruz (com um teleférico para ver os vinhedos), Bisquertt (hotel boutique com 20 apartamentos). 

Rolhas e Saca Rolhas - Um item de coleção



As rolhas começaram a ser usadas no século XVl, pela necessidade de vedar completamente as garrafas para evitar vazamentos, daí foi preciso criar um instrumento para extrair a rolha. Há muitos modelos. Hoje, algumas vinícolas usam rolhas sintéticas, ou gargalos com rosca. 


Agora basta abrir a garrafa e brindar. 



                                                            SAÚDE - SALUTE - TEARS - SANTÉE - SALUD




















sexta-feira, 8 de março de 2013

ILHA DE PÁSCOA

ILHA DE PÁSCOA

 

Mística, simples e com uma natureza poderosa, a Ilha de Páscoa é um destino perfeito para aqueles que são curiosos e interessados em história de povos distantes, gosta de caminhar e de trilhas em paisagens maravilhosas. Sozinha há muitas milhas da costa chilena, a Ilha de Páscoa tem clima quente e úmido, um povo alegre e orgulhoso das origens. Há muito para ver, conhecer, aprender.

A capital chama-se Hanga Roa, uma vila pequena e espalhada. Tem uma sala de shows, um teatro, onde às quintas-feiras e sábados a noite, o grupo Kari Kari apresenta suas bailarinas e dançarinos em trajes típicos, uma pequena orquestra de instrumentos musicais locais e cantores. O show é folclore puro, alegre e vibrante.





Outra atração na vila é o pequeno museu antropológico P. Sebastián Englert, estão em exibição artefatos icônicos rapanui, placas com inscrições, instrumentos de pedra, utensílios domésticos. Ainda no centrinho: a Iglesia Sagrado Corazón, com missa em rapanui e o Mercado Artesanal.








PASSEIOS

A única exigência da Ilha de Páscoa é que o visitante goste e tenha disposição para caminhadas, o Sol costuma ser implacável, então a melhor dica é protetor solar em todo o corpo, óculos escuros e chapéu.



RANU KAU - o vulcão cuja cratera é cheia de água e encostado ao Oceano Pacífico tem uma das vistas mais extraordinárias da ilha. Próxima a cratera esta a vila cerimonial chamada ORONGO, um complexo de 53 "casas" associadas a lenda do Homem-Pássaro. Este sítio arqueológico é composto de lajes sobrepostas e terra, com portas muito baixas, para entrar é preciso se abaixar.


AHU AKIVI - Ahu (plataforma cerimonial de pedra) no interior da ilha, são 7 moais e os únicos voltados para o mar, eles marcam o equinócio de verão.


ANA TE PAHU - cavernas cujo o micro clima úmido permitiam o cultivo de bananas, abacates, goiabas e outras plantas comestíveis, já que não há cursos de água no terreno poroso e vulcânico da Ilha de Páscoa. As cavernas também eram usadas escola e para meditação.




ANAKENA - única praia com faixa de areia branca, palmeiras e águas azuis. É o lugar onde chegaram os primeiros polinésios. Tem churrasqueiras, mesas para picnic, banheiros e cabine para trocar de roupa. Em Anakena estão os 7 moais de Ahu NauNau, 4 deles com "pukaos", os topetes.




AHU TONGARIKI - os 15 moais, a maior plataforma da ilha. Fica na Península Poike, muito interessante com vários marcos associados às lendas da ilha.




RANO RARAKU - uma das atrações mais espetaculares da Ilha de Páscoa, há cerca de 400 moais nas encostas da montanha, também conhecida como "fábrica de moais", há uma trilha para explorar a área, e caminhando se chega a cratera do vulcão coberta de água e rodeada por junco peruano (bambu totora).
Os moais mais fotografados são Hinariro, Piropiro (meu predileto), Tukuturi (ajoelhado e com cara redonda) e El Gigante, com 20 metros e pesando perto de 270 toneladas, ainda preso a rocha.



Há cerca de cem mil cavalos selvagens em toda a ilha e muitos deles costumam pastar livres por essas encostas.


Outra atividade na Ilha de Páscoa é mergulho; no portinho da vila funcionam duas empresas, bem equipadas: Orca Diving Center e Mike Rapu Dive.