quarta-feira, 12 de setembro de 2018

MENDOZA


MENDOZA - Abril 2018

Não nos hospedamos em Mendoza, preferimos ficar ao sul, nas vinícolas que tem hospedagem, localizadas no Vale do Uco.

. Casa de Huespedes la Azul, muito bonito e gostoso.


Exclusivo e com poucos e espaçosos apartamentos. Um belo jardim e cafe da manhã feito especialmente sem gluten e sem lactose (intolerâncias do Zeca).
O próprio dono preparou uma carne maravilhosa para o jantar, recomendo.
Na entrada fica a vinícola que serve almoço. ficalaazul.com.ar , vamos experimentar na próxima vez.



Lindo, apenas seis apartamentos, uma piscina de sonho, vista de tirar o fôlego para a Cordilheira dos Andes, por quem voltei, absolutamente, apaixonada.


Da estradinha empoeirada ate a recepção a gente vai por uma alameda de belas oliveiras. Café da manhã gostoso, bem silencioso, suites grandes e muito confortáveis. Pena que passa rápido, e fica aquele gostinho de quero mais.


Bodegas, são tantas que a gente tem que se preparar para circular bastante. É necessário marcar as degustações e visitas.

Domaine Bousquet 


Luigi Bosca - em frente a Lagarde, bem antigona.



Lagarde - almoço num jardim debaixo de árvores imensas, comida caprichada, serviço impecável, lojinha com azeites saborosos. www.lagarde.com.ar

Salentien - almoço gostoso 


Zuccardi - a mais bonita, super moderna. Restaurante Piedra Infinita. reservas@piedrainfinita.com.ar



Bodegas Caro - marcar a noite para o show de tango. Visita, degustação e show na vinícola que sobreviveu ao grande terremoto, que destruiu quase Mendoza inteira. Fica ao lado do Restaurante 1884, o mais badalado de Mendoza, cujo chef é Francis Mallman.




Outro restaurante delicioso é o Siete Fuegos, tambem do Francis Mallman, cardápio bem interessante.































Fomos também a Chandon, um pedacinho da Provence aos pés da Cordilheira.


É nescessário alugar carro ou contratar um motorista porque as bodegas são distantes.  A sinalização é bem precária, é uma viagem aventura.


Um passeio mais ou menos próximo é Puente del Inca, subindo a Cordilheira. Formações rochosas e agua quente, lugar antigo e muito mal conservado. Só se sobrar tempo.


domingo, 29 de outubro de 2017

PANAMÁ

Cidade do Panamá

De surpresa, lá fomos nós para Cidade do Panamá.

Voamos Copa Airlines de Miami, vôo tranquilo e rápido.
O aeroporto é bem equipado e não muito longe da cidade, mas o transito é terrível.



De cara o bairro dos hotéis e bancos parece um pouco com o Aterro do Flamengo, sim os prédios são novos, altíssimos e o contraste com a frota de veículos é incrível.
Os ônibus são aqueles antigos ônibus escolares dos Estados Unidos, bem velhinhos, sem ar condicionando e o calor é de matar. Hoje são usados não só para transporte público mas também como ônibus balada.


Temperatura média em Outubro: 34 graus Celsius e úmido pra xuxu.

Passear no Casco Antiguo, é voltar no tempo, esse pedacinho da cidade está situado numa península, suas ruas são estreitinhas, o calçamento feito de pedras e há muitos monumentos históricos.
 



Visitar: Igreja de San Jose (altar de ouro), Catedral Metropolitana, Teatro Nacional. Ou simplesmente passear olhando os prédios restaurados.



Há casinos e bons restaurantes, grandes hotéis e o maravilhoso BIO MUSEO, inaugurado em Outubro de 2014. Localizado num parque enorme e muito bem cuidado, de frente para a baia do Panama, ele é uma aula interessante sobre a biodiversidade na região.  Projeto do arquiteto Frank Gehry, o primeiro na America Latina,  um emaranhado metálico e colorido de formas geométricas superpostas.



Claro, também tem a eclusa do Canal do Panamá que sozinha já justifica a viagem.



Sugiro contratar um taxi, com guia, no hotel para ir até a eclusa. Ver os navios passando no CANAL DO PANAMÁ nos dá uma idéia da grandeza desse projeto, há um museu explicando a construção com fotos, réplicas das máquinas, documentos históricos e alguns videos. Achei muito interessante.




Gosta de aventura? então, vá almoçar no Mercado de Peixe. Muitas barraquinhas (pequenos restaurantes de peixes e frutos do mar) servindo ceviche, peixe frito, cerveja; num misto de algazarra, desordem e perfumes locais. É divertido, se voce não se importar com a simplicidade do lugar.



Para jantar há lindos e exclusivos restaurantes com cardápio assinado por chefs renomados, cozinha local e internacional, carta de vinhos bem apropriada, belas sobremesas e um maravilhoso espresso.

Indico estes restaurantes:

TANTALO - um bar para a hora do almoço, num prédio lindo no Casco Antiguo. Para comer saladas ou hambúrgueres, simples, com atendimento lento e simpático.



TEJAS - no Trump Internacional, comida asiática. Repare no lustre do bar, feito com milhares de casulos de bicho da seda.
O restaurante da cobertura do hotel, dizem que tem uma vista privilegiada, mas estava fechado.

SEGUNDO MUELLE - descontraído, bom para ir num grupo, comida boa e um pouco barulhento.

8 e MEDIO - comida deliciosa, atendimento nota 10 e uma área externa linda. Lugar super agradável no Casco Antiguo.





CALIOPE - outro restaurante especial no Casco Viejo, recomendo fazer reserva.
                                           


Tomate de Arbol

Compras também fazem parte do passeio, há grandes shoppings com lojas de todos os preços. Para mim o melhor é o novíssimo SOHO Mall, com todas as grifes e também uma Ladure muito linda.



Gostei demais da NINA Concept Store, ao lado do shopping, uma loja bacana, um lugar para tomar um brunch nos finais de semana, com milhares de itens para presente, bem diferentes. Tem brinquedos, uma pequena livraria, papelaria diferenciada, jóias, um pouco de tudo com uma curadoria sensacional. Vale a visita, sem pressa pra curtir tudo.



quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

USHUAIA

Cinco dias no Fim do Mundo



Realmente, estar aqui é estar no fim do mundo.

Clima incrível, alto verão com temperaturas de 0º a 16ºC, muito vento, céu azul e entardeceres que não terminam. As 22hs ainda tem uma luz linda.
Com o vento, os passeios que são todos por estradinhas cascalhada, ao cruzar com outro veículo é um mergulho em muita poeira.



Ushuaia surgiu como presidio e aos poucos foi se desenvolvendo, hoje é um ponto turístico, tem bons hotéis, restaurantes gostosos, esportes radicais, passeios de barco para ver pinguins e lobos marinhos, o Parque Nacional da Terra do Fogo, de onde sai um trenzinho, o Trem do Fim do Mundo, trilhas, passeios a cavalo, sobrevoo de helicóptero ou avião pequeno e museus.



O centrinho é cheio de cafés, lojinhas de chocolates e souvenirs, roupa de esporte, algumas joalherias com objetos feitos de rodocrocita a pedra cor de rosa, típica essa região.

Restaurantes populares, um recém inaugurado Hard Rock Café, bem grandão e muito bem montado.

No fim do mundo 5, dias são suficientes para descansar e se maravilhar com a natureza.


PASSEIOS



. Parque Nacional da Terra do Fogo - enorme, com muitas trilhas, muita poeira, vários lagos, alguns ônibus e vans com turistas do mundo todo.



Uma paradinha muito interessante é a praia do correio, o mais sul do continente, funcionando num pier todos os dias, vendem alem de cartões postais e selos, lembrancinhas locais e voce pode postar de lá mesmo para qualquer lugar. Também pode carimbar o passaporte com o carimbo do fim do mundo.



Outro ponto de parada legal para visitar é o Arroyo dos Castores, onde tem uma represa feita por eles, igualzinha a dos desenhos animados, bem interessante.



. Um dia pelos lagos: Escondido e Fagnano.
Estrada pavimentada, bem sinalizada, alguns mirantes e um visual digno de muitos cliques.
Por aqui passa o Rio Olivia, locação do filme "O Regresso", quem viu o filme consegue sentir toda a estória.



. Passeio de barco pelo Canal de Beagle - pode ser contratado no hotel ou no porto na agência PIRATUR, há outras, fomos com o hotel e foi bem legal.





Barco pequeno, para 12 pessoas, super confortável, são 10 horas de passeio que passaram voando, o passeio é muito interessante. Passamos por varias ilhotas, primeiro avistamos os cormorões (aves parecidas com pinguins) uma colônia enorme, em seguida fomos ate a ilha dos lobos marinhos, muitos animais, varias mamães amamentando os filhotes e como o barco é pequeno, conseguimos chegar bem pertinho,  depois passamos pelo Farol do Fim do Mundo, uma ilha pequena bem no meio do canal lado argentino, do lado chileno está Porto Willians, pequeno povoado.



Tivemos sorte o canal estava bem calmo, sem vento.
Almoço servido a bordo, simples e bom; salada, pão fresquinho e uma taboa de fiambre e queijos acompanhado de frutas secas, para beber refrigerante, água e cerveja. Sobremesa boa: brownie com doce de leite.



O ponto alto do passeio foi a "pinguineira", o barco praticamente "estaciona" na praia e eles centenas, milhares, curiosos vem nadar e se exibir ao nosso lado. Muito legal. São pinguins da espécie
Magalhães, pequenos e desajeitados, andando de um lado para outro, se balançando e fazendo varias evoluções na água, são curiosos e destemidos. Foi divertido.



Última parada do passeio foi na Fazenda Harberton, a mais antiga fazenda de Ushuaia, era de criação de ovelhas para extração de lã e carne, hoje vivem do turismo, pois são os donos da ilhas dos pinguins. Visitamos os galpões antigos e foi servido cafe/ chocolate/ chá acompanhado de bolos e tortas, na antiga cozinha da fazenda.
Voltamos de van para a cidade, a estradinha é estreita, cheinha de curvas e cascalhada. As 22hs estávamos no hotel.



. Glaciar Martial - uma caminhada pelo monte Martial, que na época do inverno é uma super pista de esqui, e nesta época de verão, uma subida íngreme que exige disposição e preparo, tem visual lindo. Vale muito a pena.
Na parte baixa tem um restaurante feinho de um lado e uma casa de chá super charmosinha do outro. Foi lá que comecei a escrever este post de Ushuaia, inspirada pelo bosque e pelo riozinho que passa ao lado.



. Trem do Fim do Mundo - um passeio de uma hora e meia na réplica do trem que levava os prisioneiros para trabalhar. Vagões mínimos, bem restaurados com explicações em inglês e espanhol, com uma parada na cascata Macarena.



O trem é bem bonitinho tem uma bitola minúscula, muito estreitinha, até parece de brinquedo. É bobinho e faz parte das atrações imperdíveis de Ushuaia.

RESTAURANTES

Comer na Argentina é sempre bom, cozinha caprichada, carnes saborosas, vinho gostoso.



No fim do mundo recomendo:
As famosas e gigantes CENTOLLAS estão em todos os cardápios, o Tia Elvira, um restaurante tradicional, antigão e cheio de turistas serve o crustáceo em muitas receitas. Fica na avenida do porto em frente a feirinha de artesanato. Estacionamento fácil.
Carnes gostosas, provoleta, saladas fresquinhas, empanada gostosa e o famoso carneiro assado no Casimiro Biguá, na mesma avenida do Tia Elvira, uma carta de vinhos honesta e sem originalidade, que acompanha bem os assados. Em El Calafate, também tem um Casimiro Biguá.
Café/chocolate quente e tortas, na Av. San Martin tem vários cafés, o mais movimentado é o Tante Sara, bem argentino, cheio de gente, um pouco barulhento e muitos jovens.


COZINHA AUTORAL

CHEZ MANU - na subida do Monte Martial esta o Chez Manu. Cozinha francesa clássica com algum perfume local. Boa carta de vinhos e um visual espetacular que enriquece qualquer receita. O Chef Emmanuel Herbin trabalha com produtos naturais da terra e do mar da Patagônia, como esta descrito no cardápio. Muito bom.

KAUPÉ - cozinha autoral, restaurante pequeno e charmoso do chef Ernesto Vivian. O restaurante fica no alto e tem uma vista para a cidade e canal de Beagle. Carta de vinhos boa e variada. Menu degustação e cardápio excelentes.

KALMA -  resto cocina de autor.
Perfeito, pequeno, apenas 24 lugares, o dono Jorge Monopoli foi super atencioso e atendeu todas as necessidades do Zeca que é celíaco e intolerante a lactose. Adaptou o menu degustação para ele.
Tudo delicioso. Recomendo muito, para mim o melhor.



Em Ushuaia também tem; MFM -  Museu do Fim do Mundo que é pequeno, tem algumas espécies empalhadas da Patagônia argentina.
Museu Maritmo e del Presidio - a historia do inicio de Ushuaia, e Museu Historia Fueguina.
Feira de artesanato onde varias lojinhas vendem produtos que para mim não são artesanato e CASINO que não fomos, e por isso não posso comentar.



Quer saber? o fim do mundo nem é tão longe.
Vá!